Riot Squad

Semanas após o contato com o pessoal do Pin Ups, Paulo recebeu uma ligação telefônica da baixista Alê convidando para que abrissem o show de lançamento do novo álbum dos Pin Ups (Scrabby!), no Aeroanta de São Paulo! Outro detalhe deixou os PINHEADS ainda mais ansiosos: poderiam descansar o esqueleto após o show, no apartamento do João Gordo!

Gaudêncio, Júlio, João, Paulo e Dudu - 1993

Gaudêncio, Júlio, João, Paulo e Dudu - 1993

O primeiro show fora de Curitiba seria um batizado e tanto. Aeroanta de São Paulo abrindo para Gangrena Gasosa e Pin Ups (22 de agosto de 1993). Dudu iria tocar no mesmo palco no qual Jello Biafra estava um ano antes. O show foi legal. O bom público, conforme o esperado, não agitou como em Curitiba, mas a recepção foi boa. O som estava ótimo e recebiam aplausos após cada música. A educadíssima Alê já tinha pago o dinheiro das passagens e ainda deu um trocado simbólico para os PINHEADS (foi a única remuneração em show fora de Curitiba).

Dudu, Paulo e Júlio - Flyer do primeiro show fora de Curitiba.

Dudu, Paulo e Júlio - Cartaz do primeiro show fora de Curitiba.

Mais importante que o show foram os contatos. Primo Renato (juntamente com Renatinho, Mendes e Gaudêncio) acompanhou o trio nessa viagem e disse para Dudu entregar o compacto para uma dupla que prestava atenção à apresentação dos Pin Ups. Eram Carlos Dias e André, integrantes do Tube Screamers.

Pinheads Aeroanta_SP

Após o show, dormiram (juntamente com mais umas 10 pessoas) na sala do apartamento do João Gordo. João contou para os interessadíssimos curitibanos suas experiências em solo europeu cantando nos Ratos de Porão ou assistindo shows de bandas como Oi Polloi.

Gordo aproveitou para gravar um cd ao vivo do D.I. que a trupe curitibana tinha recém adquirido na Galeria do Rock. Em troca, liberou sua cedeteca para que fitas cassete fossem preenchidas com o supra-sumo do punk inglês. Dudu passou a noite em claro gravando Lurkers, The Boys, Rezillos, Adicts… enquanto isso, um integrante do Gangrena Gasosa copiava uma advanced tape (ainda não masterizada) com o futuro álbum do Sepultura (Chaos A.D.).

João Gordo também mostrou a gravação da coletânea que estava produzindo com as bandas I.M.L., Muzzarelas, Lethal Charge, No Violence e Kangaroos in Tilt. O final de semana tinha sido realmente agitado, pois no dia anterior foram ao lendário Der Temple assistir a um show do Safari Hamburguers.

Os PINHEADS foram à São Paulo pelo rock, para fazer show, para ver outros shows, pelo intercâmbio, para comprar novos álbuns. Eram bitolados em punk rock, e lamentavam o fato de alguns roqueiros locais e donos de loja de disco de Curitiba, irem à cidade em outubro de 93 para ver a turnê Dangerous do decadente Michael Jackson.

Roubada! Cancelado!

Roubada! Cancelado!

Uma apresentação no litoral paranaense foi agendada. Missionários, PINHEADS e um grupo chamado Bloqueio Mental se apresentariam no Riviera’s Snooker Bar, na praça central de Guaratuba. Com o cartaz pronto, o show foi cancelado dias antes.

Pinheads Flyer_Ghandja

Era hora de tocar e fazer mais música nova. Na noite de 18 de setembro, tocaram no Ghandja Bar (antigo Hell), ao lado dos Cervejas. A presença e reação do público continuavam excelente. Diversão para todos os lados. Nenhum cover no set list de 18 músicas.

Oh Ja abrindo, Plutoflipper´s fechando

Oh Ja abrindo, Plutoflipper´s fechando

O primeiro show no interior do Paraná foi em Apucarana, dia 25 de setembro. Tocaram numa boate chamada Kogumellu’s, numa festa de campeonato de skate. Lá conheceram os “punks” locais João Cabeção e Max Leean. Antes de andar de skate, no calçadão da cidade, visitaram a rádio local (Cultura 94.5 FM) para divulgar o show e falar uns palavrões leves ao vivo, para desespero do locutor de plantão.

Recorte do jornal Tribuna do Norte

Recorte do jornal Tribuna do Norte

A marca de surf wear Cruel Maniac ofereceu apoio para fazer as camisetas da banda e também forneceriam roupas para o trio. Sem pensar muito, aceitaram. Qualquer ajuda era bem vinda. Chegava a hora de tocar num lugar maior, e num domingo (24/10/93) agendaram um show no Syndicate. Era um espaço enorme, para mil pessoas, com uma boa área de street skate na entrada.

PINHEADS tocou pela primeira vez Forget The Problems e o cover da vez foi Living For Today, do Pennywise, ao lado de American Jesus. O número de pessoas era grande e os seguranças começaram a tratar com violência àquelas pessoas que subiam ao palco, ou que pogavam com mais energia. PINHEADS lançava um petardo atrás do outro, provocando o frenesi saudável da moçada.

Paulo dando aquela força para Dudu - Syndicate 1993

Paulo dando aquela força para Dudu

Porém, o dono do local e os seguranças estavam numa vibração completamente oposta à dos roqueiros de cima ou de baixo do palco. Na sexta música (I Don´t Know Why) , do extenso set-list, os seguranças Pelé e Fabião (famosos lutadores de Vale-Tudo) empurraram com covardia o Serginho (irmão do Júlio) de cima do palco.

Foi o estopim para que os abusados Paulo e Júlio atacassem verbalmente os seguranças. O insano público se sentiu protegido, enquanto mais alguns compactos e camisetas dos Pinheads eram adquiridas por preços honestos. Na saída do palco, o clima ficou ruim. Será que os seguranças iriam tomar satisfações e partir para um não amistoso acerto de contas?

Vários rostos familiares em um pogo histórico no Syndicate

Vários rostos familiares em um pogo histórico no Syndicate

Nada aconteceu, felizmente. Paulo comenta a confusão:

“O Fabião era o maior batedor de Curitiba na época, campeão de chute boxe e o caralho a quatro. A fama de brutamontes do cara era enorme, apesar do fato de ele ter sido lobinho comigo no grupo escoteiro Tapejara, perto do Parque Barigui, nos anos 80. Escoteiros à parte, o cara realmente era muito grande e temido. No auge do stress do show do Syndicate, eu e o Júlio começamos a xingar os seguranças que estavam dando porrada na galera mais agitada do pogo. Desci a boca nos caras, e de repente senti um puxão na minha bermuda da Company, multicolorida, desejo de consumo de qualquer surfista no final dos anos 80.

Após arrebentar a minha bermuda, olho para ver quem puxou e vejo o tal Fabião que estava prestes a arrebentar minha cara. Chamei o cara (dá pra ouvir isso na gravação daquele show) meio que respeitando, pois ele estava junto com os seguranças. Na real, após o show, o cara acho que cansou de nos perseguir e foi buscar uma briga mais equilibrada pra ele naquela noite, pois, se quisesse, ia nos massacrar”.

22 Comentários

Arquivado em 1993

22 Respostas para “Riot Squad

  1. Naomi Fukumitsu

    Obrigada por nos presentear com este belo acervo…

  2. marcelo sade

    que saudade dos velhos tempos.

  3. Rafael Erdei

    Parabéns e obrigado por este presente.
    Foram e continuam sendo uma influência para mim.
    Abraços

  4. PQP !!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

  5. Parabéns Dudu!

    Não acompanhei de perto a trajetória dos Pinheads, de punk só ouço The Clash, Buzzcocks e Dead Kennedys. Minha onda era (e ainda é) Pós-punk, Bob Dylan, rap e samba antigo. Mas sou fã do que vc escreve. Parabéns pelo trabalho. Essa história é a história de todos nós que amamos e fazemos música nessa cidade que nem é mais tão fria.

    • dudumunhoz

      Obrigado Caio.
      Um elogio seu é animador.
      Sinal de que o texto interessa a todas as cabeças pensantes… não apenas aos punk rockers!
      CHEERS!

  6. Então…. me arrepiei quando vi esse cartaz do show de Guaratuba agora véio! Puta que pariu! Era pra ser uma puta festa, toda galera ansiosa pra ver o barulho, sem conhecer nenhuma música das bandas que iam tocar, mas a galera queria uma parada diferente. Tudo preparado daí veio a noticia que por força maior as bandas de Curitiba não iam vir mais. Como o pessoal já tinha visto o Bloqueio a decepção tomou conta da galera. Muita gente vazou, mas o Bloqueio Mental ainda fez eu destroncar meu braço naquela noite.

    • dudumunhoz

      Braço destroncado Maurício? Meu ombro direito conheçe bem esse tipo de incidente em show de punk rock. Você não é o único. Quanto ao show em Guaratuba nenhum de nós 3 dos Pinheads lembramos muito bem quem marcou e quem desmarcou. Parece que foi o JR. Mas o cancelamento foi dias antes. O organizador só avisou o público depois que a festa já tinha começado? Então ele não foi correto. Lamentável. Se cuida e um abraço (de leve). dudu.

  7. Cara, fala sério, o show do Ghandja foi uma das coisas mais pitorescas do mundo! Lembro que fiquei até a casa fechar, achei diversas coisas no chão… dinheiro, latinha de cigarros de cravo mega gringa, etc. E ainda o comentário do pessoal que trabalhava no bar: “O teto começou a ceder. Caía pedaços de várias partes. Achamos que ia desabar com todo mundo lá em cima!” Para quem não conheceu o lugar, era um sobrado, os shows eram no andar de cima. O palco era no canto, formando um L e as pessoas pulavam insanamente de uma perna para a outra. Lindo!!!!

  8. Ainda falando do show do Ghandja… esse show foi organizado pelo Mr. X e mais um cara (não recordo quem) e lembro ainda de ter pego vários cartazes e colorido como esse aí para chamar atenção, pois não tinha como fazer cópias coloridas na época, era muito caro. Então peguei umas canetas marca texto e mandei ver na colorização do it yourself, sendo assim saíram trocentos cartazes coloridos manualmente e todos diferentes. Foi massa de fazer isso. Hoje em dia é mais facil. Na época sem internet era assim que se fazia.

    • dudumunhoz

      Eu catei uma caixa de giz de cera e colori cada um com uma cor, cada um de um jeito. Não gostava de deixar cartaz sobrando em casa… então colava em tudo que era local. Achava isso legal. Você ía num bar no centro e tinha um cartaz, ía numa mercearia do Bigorrilho e tinha outro… ía numa skate shop no Shop. Água Verde e tinha uns dois. No terminal do Campina do Siqueira colei uns 10 um ao lado do outro (uns dois propositalmente de ponta cabeça). Nesses casos nem pensava em divulgação… era mais intervenção urbana mesmo. Os cartazes que eu colava com mais carinho eram dentro do bar do Joe e no poste da frente.

  9. pedrinho sant'ana

    Dude, li o blog inteiro 2 vezes já… emocionante… demais!!!
    Quero te parabenizar e principalmente agradecer, pela influência tão
    grande, (você não tem ideia do quanto os Pinheads me influenciaram e
    ainda influenciam) e por algo que você fez por mim, a nada mais nada
    menos que 10 anos atrás, naquela que se tornaria minha 1ª bateria
    pouco mais de um ano depois.
    Me lembro até hoje do que senti quando o Luli me levou na sua casa para
    aprender a tocar bateria. Era uma mistura de ansiedade e alegria e de
    certa forma medo.
    Lembro que quando entramos na churrasqueira a batera tava lá
    empoeirada já, mas você sentou e desceu o cacete na bichinha, e neste
    momento não pude conter o riso. Lembro que não queria rir, para você
    não achar que eu estava zoando, mas não conseguia. Era felicidade
    pura, correndo nas veias de um menino com 13 anos na época. Estava em
    transe, só de ver você tocar uma batera. Acho que de certa forma eu sabia
    que aquele dia era especial…
    No mesmo dia, quando cheguei em casa, peguei duas cadeiras, uma caixa
    de ferramentas, umas almofadas e um par de baquetas (uma de cada tipo)
    que o Luli tinha (uma era do Raimundos eu acho, a outra provavelmente
    sua…) PRONTO! Estava montada minha “primeira” bateria…
    Hoje, 10 anos se passaram, e eu toco quase todo dia. Sou apaixonado pelo
    instrumento, toco na noite, em casa, sozinho, pra muita gente, foda-
    se, só de sentar no banquinho, pegar as baquetas na mão, meu coração
    já bate diferente.
    Tenho que te agradecer muito por isso.
    E mais uma vez parabenizar pelo Blog, e pela História dos Pinheads.
    Vocês são fodas….

    Ah! E não esqueça de me chamar para esse tal churrasco do rock hein???
    hahahah…
    ah2, e se precisar de uma bateria, sabe onde encontrar…. sempre… (inclusive, esse chimbal da foto principal do blog eu uso até hoje. Zildjian é foda. Acho que ele tem uns 15 anos…)

    Um grande abraço do Pedrinho.

    • dudumunhoz

      Obrigado pelas palavras Pedrinho.
      Vendi (por um preço bem honesto) minha bateria para você pois sabia que ia ser especial.
      Cuida bem dela mai bróder!

      Bom saber que aquelas duas ou três “aulas” de bateria ajudaram a você ser um grande batera!!!

      Forte abraço, dudE!!!

  10. Daniel

    Parabéns pelo blog cara…!!
    Sou do interior de Pernambuco.
    Não tive a sorte de acompanhar o Pinheads, peguei o som de vcs na coletânia flying music for flying people , e pirei no som de vcs!!
    Baixei todos os sons!! Todas fotos e etc…

    Amo com todas as minhas forças hardcore melódico e punkrock!!!
    Já faz uns dez anos que eu tento fazer as bandas que eu toco dar certo. Atualmente estou tentando gravar e produzir a primeira demo da banda na qual toco guitarra: Trashit.

    Já comprei vários cds na barulho records, e descobri uma banda muito boa dai: Confusion !!

    Só acho que o Pinheads poderia ter dado um tempo e ter voltado depois… mas ninguém melhor que vcs mesmo pra saber a hora certa de parar, ou continuar.

    Tudo de bom pra vc!! E para os outros integrantes do Pinheads.

    • dudumunhoz

      Obrigado pelo comentário Daniel. Boa sorte com Trashit. Quando a demo ficar pronta nos avise! Forte abraço.
      Gabba Gabba Hey!

  11. Daniel

    Pode deixar Dudu… quando a demo tiver pronta eu aviso.
    Estou ouvindo agora os petardos do Pinheads… hehehe muito bom!!

    Grande influência para mim! Tanto musicalmente, como em se tratando de força de vontade, e atitude.

    grande abraço.

  12. Fabricio

    Dalhe Dude!

    A Lahna me falou do blog hoje e resolvi dar uma olhada. Além de várias passagens que me trouxeram lembranças, p.ex. o show do 92 degrees que o Marcelo se machucou, esse show do Syndicate é especial pra mim. Acho que vc não deve se lembrar, mas nesse show vc pediu minha ajuda pra tirar algumas fotos. De posse da câmera, ao transitar no meio do povo, as pessoas abriam caminho espontaneamente para o “fotógrafo”. Curti muito aquele momento, e fiquei muito pilhado para produzir boas fotos. Lembro de me deitar no palco para buscar o ângulo perfeito e registrar a banda. Obrigado pela sua dedicação em trazer a todos esse blog com a história do Pinheads! Abçs. Fabricio.

    • dudumunhoz

      Eu que agradeço a leitura.
      Realmente não me lembrava do Fabricio “fotógrafo”.
      Excelente lembrança!!!
      Abraço aos quatro da bela familia!
      Cheers!
      dudE

    • dudumunhoz

      Muito provável que as duas últimas fotos deste post sejam do Fabricio.
      Pode ser Fabricio?
      abraço, dude

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s