The Cool Crowd

Uma segunda proposta para gravar um álbum veio com a gravadora Polvo. A falta de contato direto com aqueles cariocas monossilábicos era tão broxante quanto a oferta, pouco esclarecedora. O contrato capcioso dava a entender que os PINHEADS abriam mão de direitos autorais e firmava compromissos nebulosos. Menos sorte teve os curitibanos da banda amiga Uv Ray, que entraram no esquema da Polvo e nunca tiveram o prometido álbum lançado.

Saca só o depoimento do amigo, André Scheinkmann, guitarrista do UV RAY:

“Polvo foi um selo bizarro. Lançaram Dash, Big Trep, Beach Lizards e nós ficamos pra história. Eles bancaram 60 horas de gravação num estúdio na Glória, Rio de Janeiro, em janeiro de 1995. Em fevereiro passei no escritório do estúdio, que era em Copacabana, para assinar uma papelada de liberação de músicas e tal. Você bota fé que o diretor da gravadora , o tal do Marcelo, nem se deu o trabalho de sair da sala dele?!

Assinei os papéis com o assistente, e dava pra ver o cretino pelo vidro fosco de costas na cadeira, se achando o 007! Tínhamos falado inúmeras vezes por telefone numa boa, o cara se mostrando simpático e ‘amigo’… a partir de então saquei que a coisa não era séria. Gravamos, mixamos e masterizamos (naquele nível de qualidade da época), e os caras não lançaram. Pelo menos fizemos uma cópia numa DAT e trouxemos com a gente, de outro modo nem a gravação teríamos. Na época lembro de falar com o Paulo. A Polvo tinha feito uma proposta para os Pinheads e ele veio trocar uma idéia comigo. Dei a letra do que tinha rolado, mas ele já tinha sacado que o cabra era pilantra”.

Entre os melhores da história de ambas

Entre os melhores da história de ambas

No dia 11 de março, Beach Lizards e PINHEADS lotaram o Aeroanta. Sempre dando suporte para a platéia, a verdadeira estrela dos shows, a banda fez um set equilibradíssimo, incluindo as novas Try! e Friendly Song. Jogaram as bolas de plástico (para o desespero dos donos do local) e o cover da noite foi Salvation, do Rancid. Karina, da banda No Class, tocou baixo na música Plutoflipper’s Land. Segundo o baixista Laércio, foi o melhor show da história dos Beach Lizards; e certamente um dos top 3 dos PINHEADS. A platéia era basicamente composta de gente amiga.

A roqueira mezzo-curitibana mezzo-paulistana Inti, relembra:

“Foi inesquecível Pinheads e Beach Lizards no Aeroanta. Lembro bem que eu e a Karina do No Class, estávamos assistindo ao show atrás do palco e aí a gente não se aguentou e saiu correndo junto lá de trás, as duas ao mesmo tempo e pulamos na galera. Foi um stage dive histórico!! O Tatu e o Fralda nos seguraram, senão… Detalhe: nós duas estávamos de saia… Bons tempos! “.

Pinheads Set_list_Lizards_1Pinheads Set_list_Lizards_2

Logo após o show de abertura dos Beach Lizards, um rapaz pediu para ficar em cima do palco durante todo o show dos PINHEADS. Com o maior prazer, o trio reservou um lugar privilegiado para o fã, um cadeirante portador de deficiência motora nos membros inferiores. Animado, sorridente e cantando junto, o rapaz era um show à parte. O ápice foi quando o tiraram de sua cadeira de rodas e simplesmente o jogaram no crowd surfing.

O rapaz fluía nas mãos do público, todos se esmerando em não deixar que nada de errado pudesse acontecer. Um minuto depois, eufórico, estava de volta à sua cadeira de rodas. Dudu, Paulo e Júlio fingiam que nada estava acontecendo, mas no fundo de seus corações, vibravam e sentiam orgulho de seu público.

Pinheads, 11 de março de 1995, Aeroanta

Pinheads, 11 de março de 1995, Aeroanta

Um dia antes, o Caderno G da Gazeta fez uma matéria divulgando o show com os Beach Lizards, no Aeroanta. O texto de meia página dizia que o trio já estava de contrato assinado com o selo Polvo. Sedento por noticia, o jornalista acabou forçando a barra. De fato, a Polvo chegou a enviar pelo correio o contrato de um álbum. Mas Paulo simplesmente o rasgou e jogou no lixo de sua casa.

Pinheads Flyer Circo_voador

Em plena sexta-feira santa da Páscoa de 1995, os cariocas retribuíram a gentileza: PINHEADS, Cabeça, Funk Fuckers (com B Negão) e Beach Lizards tocaram no lendário Circo Voador, no boêmio bairro da Lapa.

6 Comentários

Arquivado em 1995

6 Respostas para “The Cool Crowd

  1. Essa viagem pro Rio foi histórica. Lembro de dormir na laje de uma cobertura de luxo na Zona Sul ao lado de um clube militar… acordei com helicópteros sobrevoando, era aquela época de paranóia com o tráfico e com os arrastões na “cidade maravilhosa”.

  2. Demetrius

    O Kotze ter rasgado e jogado no lixo o contrato da Polvo foi talvez o ato mais inteligente de toda a sua vida… Nao sei como pudemos assinar um contrato com uma gravadora que hoje é dona dos DIREITOS AUTORAIS de nossas músicas! O Beach Lizards foi muito ingênuo mesmo… A gente venderia até a alma pro Diabo pra ter um cdzinho nas lojas!!

    • dudumunhoz

      A gente quase assinou com a Polvo. O fato de a gravadora ficar com direitos autorais era lamentável. Pulamos fora! Não só pelos direitos autorais pois não tínhamos pretensão comercial, mas principalmente pela petulância e arrogância daquela cambadadefeladaputa.

    • Paulo Kotze

      Porra, Demetrie. Aquilo foi uma necessidade!!! Tive um milhão da atos inteligentes na vida como aquele!! Um dos maiores foi ser amigo de vocês aí do Rio!!!

      Grande Demetrie!!!!!!

  3. Caralho, eu tava nesse show do Circo! Acabou sendo a única vez que vi o Pinheads ao vivo. Lembro do Paulo sacaneando com sotaque “carioquês” um amigo meu que pediu California e nós dois – eu e o cara- rolando de rir!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s